A mágica da arrumação!!! O que achei e o que aprendi.

Oi gente.


Voltei...uhu!!!! Depois do tempo de abstinência acho que agora vai, estou conseguindo colocar o blog em ordem, pelo menos tenho tentado com bastante afinco colocar aqui tudo que pensei...

  Hoje eu venho com a primeira resenha literária do blog. Não é bem uma resenha crítica, é mais uma espécie de depoimento do que eu aprendi com o livro e as minhas experiências. Eu pensei em gravar um vídeo, mas achei que resenhas seria melhor escrever pois assim consigo me expressar um pouco melhor do que falando. Hoje eu venho falar de um livro, que quando eu fui me atinar para a existência dele, ele já era um best seller, e eu tive que lutar muito para não fuçar Internet a fora em busca de resenhas para não obter espoiler involuntário.  E como vocês viram no título, o livro é A mágica da arrumação da Marie Kondo.




  Eu como boa virginiana, tenho verdadeira mania de arrumação, meu critério é meio diferente do resto da humanidade, por exemplo minha mãe acha meu método de organização uma verdadeira bagunça. Mas sempre gostei muito de aprender técnicas que fosse funcional e que proporcionasse qualquer tarefa algo mais fácil e menos estressante, de acordo com a forma como os materiais utilizados estariam guardados. Até um tempo atrás meu método de arrumação era, tudo que eu preciso tem de estar sempre ao alcance dos meus braços. Depois de um tempo mudei isso e este livro me ajudou bastante.
  Primeiro vamos as considerações iniciais. Ele não é um romance, portanto (pelo menos eu não consegui isso) não sei se vai rolar aquela leitura calma antes do soninho dos justos. Toda vez que eu tentava ler este livro antes de dormir eu tinha vontade sair arrumando tudo, organizando a casa, e as vezes até sonhava que estava fazendo isso. Então eu aconselho você a ler este livro tipo um manual, por exemplo, você tem em mente arrumar seu armário este final de semana, que tal ler o capitulo em que ela fala disso dias antes?!?!
  Algumas pessoas (a grande maioria) tem em mente que ler um livro tem que seguir o mesmo roteiro do livro começo meio e fim. Eu já fiz este teste mas com este livro, dependendo do que você tem em mente acho que a eficácia fica um pouco perdida na hora de por em prática. Eu vou reler agora de forma mais dinâmica e depois conto para vocês.
  E por fim... com certeza este livro vai mudar a vida daqueles que o leem com o intuito real de encontrar um método de arrumação inovador e diferente. Agora vamos à resenha propriamente dita.
  Ela divide o livro por categorias começando por tópicos que ela considera pontos cruciais para que o processo seja eficaz. Vou citar aqui as categorias, mas os capítulos deixo para vocês encontrarem no livro ok?!
1 - Por que não consigo manter minha casa organizada?
2 - Em primeiro lugar o descarte
3- Como organizar por categoria
4- Arrumando suas coisas para ter uma vida sensacional
5- A mágica da arrumação transformando sua vida.



  No livro ela conta como ela foi evoluindo seus métodos de arrumação, como ela trata esse assunto com seus clientes, e conta até mesmo os erros que comete durante sua vida de organizadora profissional. Ao meu ver isso traz ela mais perto da nossa realidade, ela não se considera ícone de organização, ela apenas mostra como ao longo dos anos e no mais velho método que é o de tentativa e erro, ela conseguiu encontrar um método eficaz para uma arrumação definitiva.
  Algumas passagens do livro ela faz coisas que quando eu li, a primeira coisa que me veio a mente foi: Eu não vou conseguir fazer isto. E eu mesmo me surpreendi quando me vi fazendo exatamente o que li no livro.  Por se tratar de casos dentro da cultura oriental, uma das coisas que eu mais me incomodava lendo o livro era quando ela falava que pegava um saco de lixo colocava tudo dentro e jogava fora. Isso na minha mente era inconcebível. Mas com o passar da leitura, eu fui aprimorando o meu método de descarte. Depois que li o livro fiz uma grande faxina em algumas partes da minha casa e de fato ainda não queria e não achava aceitável em um país como o nosso simplesmente sair jogando as coisas fora. Então isso transformou até mesmo o ato de desapegar das coisas em um ato mais consciente, primeiro eu separei aquilo que não me servia mais, e depois separei aquilo que eu achava que poderia servir para outras pessoas e aquilo que já não poderia ser usado por ninguém. E seguido disso, o que ainda podia ser útil eu doei e o que não eu joguei de fato fora.


  No livro ela cita situações que eu nem pensava que poderia ocorrer comigo e outras que eu achava que estava fazendo certo mas que no fundo não estava não.  Eu não vou dar espoiler, pelo menos não de forma clara, apenas vou citar situações que me marcaram e que no decorrer do livro você vai encontrar e se lembrar que leu aqui.
 No livro, eu senti muitas vezes que ela estava falando comigo. Pois muitas das manias que ela condena no livro, eu praticava e achava a forma mais prática e funcional de organização. Desde que me mudei para a minha casa, e tive que organizar ela de uma forma mais definitiva, eu me vi muito perdida pois em todos os lugares que eu procurava, sempre envolvia comprar mais coisas, era organizador de gavetas, organizador de armários, organizador de meias cuecas, documentos e afins.eu sempre pensava: "- Meu Deus do céu se eu for comprar um organizador para cada item da minha casa eu vou a falência." E eis que quando esse livro chegou às minhas mãos, como por obra do destino a primeira coisa que eu bati os olhos foi: "Não compre produtos especiais para organização. A ideia é diminuir a quantidade de itens em casa e não comprar mais." Quando lí isso fui ao paraíso. era exatamente isso que eu precisava. Lógico que lendo o livro eu percebi que tudo se trata de um processo e dependendo da sua necessidade real você vai precisar de um item ou outro.
  Eu por exemplo, sempre gostei de trabalhos manuais, principalmente DIY, então a gente acaba acumulando alguns itens e muitos deles são pequenos e fáceis de se perder e fazendo com que acabe comprando outro porque não achou o que tinha. Então no meu ateliê eu tenho alguns organizadores, todos eles eu ganhei da minha sogra, mas hoje em dia depois de ler o livro eu determinei que para entrar uma agulha nova dentro do meu ateliê eu tenho que usar todo o material que tenho lá dentro (e acreditem não é pouco). Se eu for falar detalhadamente tudo que o livro prega e que eu coloquei em prática vou passar dias e dias aqui escrevendo. Então vou citar as que me marcaram mais.
 No livro ela fala para manter os familiares principalmente as mães longe do momento da arrumação. E gente isso é verdade. Eu tinha cerca de três caixas de papelão daquelas bem grandes com brinquedos que ganhei ao longo da minha vida. Alguns de fato eu gostava agora outros apenas estavam ali por estar, e quando eu fui separar minha mãe estava junto comigo, todo brinquedo que deu colocava na caixa para ir embora minha mãe questionava o porque eu estava me desfazendo. Não criei caso com ela, simplesmente disse que não mexeria naquilo naquele dia. Em um outro dia quando ela foi trabalhar, eu fiz a separação e fiquei somente com aqueles que tinham algum valor sentimental para mim. E ela creio eu que nem saiba o que aconteceu.
 Uma outra coisa que me marcou bastante, e inclusive me lembrei disso hoje, é que em dado momento do livro ela fala sobre se desfazer de coisas que tem valor sentimental mas que não tem mais condição de uso. No livro ela diz que na hora de se desfazer dessas coisas, você deve pensar da seguinte forma. Ele me foi útil o tempo que esteve comigo, agora é hora de seguir um outro rumo. E hoje me lembrei disso. Há cinco anos compramos meu marido e eu nosso primeiro carro, mas já era um carro usado, e estava dando muitos problemas, e então tivemos que nos desfazer dele e comprar outro. E hoje o rapaz que comprou veio buscar o carro, ele disse que ia arrumar ele e vender. Quando bateu aquela tristeza em ver o nosso primeiro filho ir embora, na hora me veio na mente. Ele me fez muito feliz, agora é hora dele fazer outra família tão feliz quanto nos fez. E por incrível que pareça, a tristeza foi embora e na hora comecei a pensar em como escreveria a nova história com nosso novo carro.
  Mas dentre tudo que eu li e tudo que coloquei em prática de acordo com o livro, o que mais me marcou com certeza, e uso isso todos os dias aqui em casa é. Manter uma relação com as suas coisas, quando você for se desfazer de algo, "converse" com aquele objeto. Pense em tudo que você viveu ou passou com aquilo. E fique somente com aquilo que lhe faz feliz, e não tenha nada apenas por ter. E isso minha gente, vale para absolutamente tudo na vida. Desde que li o livro, sempre que preciso tomar uma decisão, eu paro e penso, isso me faz bem? Isso me faz feliz? Isso pode me tornar melhor? Se a maioria das respostas forem sim. Eu opto por ficar ou permanecer na situação ou com o objeto, agora se a maioria das respostas forem negativas, se não posso sair fora na hora, vou dando meu jeitinho e me afastando até aquilo sumir da minha vida.


  É logico que eu ainda tenho muita coisa para por em prática. Estou tentando fazer isso começando pelo meu ateliê. Mas o pouco que consegui por em prática de fato causou uma grande mudança na minha vida e na minha rotina de organização.

  Bom gente espero que vocês tenham gostado e até a próxima!!!

Comentários

    Comentários

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe seu recadinho e assim que possível será respondido!